domingo, 6 de abril de 2014

HOMEM SEM ROSTO


HOMEM SEM ROSTO
Lílian Maial





Não sei teu rosto, então, te invento assim: 
És como o sol, um deus, tão importante! 
Mas vem a lua e banha o teu semblante, 
E esse importante deus inventa a mim. 


Eu me perfumo em versos de alecrim, 
E sinto um gosto ardente e atordoante. 
Vem do teu corpo o cheiro embriagante, 
Que saboreio em notas de jasmim. 


Teus braços fortes vêm ao meu redor, 
A tua boca eu quero e sei de cor, 
Mordendo as rimas, lábios de profeta! 


As coxas rijas são o meu sustento, 
O pão, a carne, o vinho, o meu ungüento. 
Não sei teu rosto, então, amo o poeta! 


*******

4 comentários:

  1. Um maneira peculiar e interessante de tratar a forma fixa. Palavras & imagens inusitadas neste estilo, demonstram que tudo pode ser diferente quando existe um verdadeiro poeta por detrás da tela.

    Beijão.

    Ricardo Maineiri

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querido amigo, pela presença sempre marcante, e comentários sempre oportunos.
      Beijão

      Excluir
  2. Se a vida se faz em dueto
    Poesia de Lílian se apresenta aos pares
    Duas metades divididas
    Em quarteto e terceto: quatorze soneto...
    Na rima clássica

    ResponderExcluir